Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Memórias de Natal!!

por Alice, em 16.12.09

Em minha casa o Natal sempre foi uma celebração em família. Quando eu era pequenina  éramos dez pessoas, depois passamos a nove, o meu avô morreu. Entretanto voltamos aos dez porque a minha irmã casou, depois  onze porque o meu tio também casou, depois  doze porque o meu primo casou, depois  treze porque os meus tios tiveram um filho. Agora, dependendo dos anos porque os que casaram dividem-se entre a minha casa e a dos respectivos sogros, tanto podemos ser treze como ficamos "só"  nove.

Quando era pequenina o Natal tinha outro sabor, acreditava que ele existia, nas prendas que ele trazia contávamos sempre com chocolates, roupa e sapatos  novos  para vestir no dia 25 e claro, brinquedos, bonecas, carrinhos.

Acabávamos de jantar e não dava para estar à espera da meia-noite para abrir as prendas, era logo a seguir ao jantar assim nós, a canalhada, ficava entretida com as prendas e os adultos jogavam cartas e conversavam. Ainda hoje é assim, depois do jantar chega o "pai natal" com as prendas todas.

Houve um ano que viemos (eu, a minha irmã e o meu primo) cá  para fora para ver o pai Natal a deitar as prendas pela chaminé e nós miúdos, no meio do quintal a olhar para a chaminé vimos mesmo o pai natal lá em cima... Todos os anos se fala deste episódio, entramos na cozinha esbaforidos, extasiados porque "vimos o pai natal na chaminé"... Foi bonito, o que a ilusão, a crença provoca...

Como agora temos uma criança na família temos que voltar a fazer de conta que o pai natal vem trazer as prendas mas este é astuto e logo no primeiro ano disse que o pai natal era a Lídia porque tinha as unhas pintadas (pormenor descurado pelos adultos, esquecemo-nos de luvas) e no ano a seguir constatou que o pai natal era eu porque reconheceu os meus sapatos e eu desapareci durante um bom bocado... Entretanto já sabe que ele não existe, disseram-lhe na escola,  mas nós não  queremos ainda desmistificar a crença, porque embora ele saiba fica em pulgas quando vê um pai natal cheio de almofadas na barriga a entrar na cozinha e a perguntar se ele se portou bem para lhe dar as prendas.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Sindarin a 16.12.2009 às 19:24

É normal k mesmo sabendo k ele não existe se fique eternamente ligado a esta época magica de luz e cor. Onde a família se reúne, onde tudo é possível, onde os adultos voltam tb eles a ser crianças. Beijinho grande amiga.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D