Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O mundo moderno.

por Alice, em 15.03.13

Nunca tanto como nestes dias, o nome deste blog esteve tão actual. A humanidade está a mudar. A vida, o planeta, conforme o conhecemos até agora, não voltará a ser o que era. Não quero falar de crise, nem finanças, nem desemprego, nem fome. Disso estou farta e por muito preocupante que seja situação, que o é, não adianta de nada recalcar estes assuntos. Até porque não falta por aí gente bem mais capaz que eu a analisar toda esta calamidade que se passa no mundo.

 

O que me leva a escrever estas linhas, para além de não ter que fazer, é a critica que leio por esta internet fora. Critica-se quem não tem, e critica-se quem tem. Bem sei que a inveja é coisa feia, e ninguém está imune a ela. É sentimento mesquinho, nasce connosco, fica aqui dentro. Mói e remói, e um dia explode-se e deita-se tudo cá para fora.

 

O que mais me incomoda é a critica àqueles que, felizmente, ainda vão tendo emprego, ainda vão tendo dinheiro para comprar o que bem lhes apetece (e porque não?), que vão passar férias, que vão jantar a bons restaurantes, que com o dinheiro que lhes sai do corpo, do trabalho decidem gastá-lo onde bem lhes apetece.

Não fazemos nós todos isso? Se não agora, por causa da dita cuja crise, não andamos nós todos a gastar o que tínhamos e o que não tínhamos? Mas nessa altura ninguém falava. Ninguém dizia "olha aquela não tem onde cair morta e comprou uma casa", e quantos não conhecemos nós assim? Pessoas que com a ilusão do dinheiro fácil, meteram-se nesses meandros de créditos pessoais e créditos de habitação, e créditos de férias e agora créditos mal parados. E ninguém falava porque a dita cuja andava longe, era um pesadelo que ninguém acreditava que se tornaria nesta triste realidade.

 

Não precisamos de ficar imensuravelmente felizes, mas não é preciso dizer "não sei onde está a crise, os restaurantes estão cheios, os telefones topo de gama vendem-se que nem ginjas..." e por aí adiante.  Mal de nós se a dita crise tocava de facto toda a população.

Há e sempre irá haver gente que ganha bem. Gente essa que pode jantar fora as vezes que quiser, comprar os telefones e computadores e os carros e os tabletes que bem lhes apetecer. São essas pessoas que vão dando algum a ganhar aos pequenos ou grandes comerciantes e que evitam que mais lojas e mais restaurantes fechem , aumentando assim a lista dos desempregados.

São essas pessoas que mantêm a loja do meu patrão aberta e que dá emprego a duas pessoas, o restaurante do meu vizinho que emprega outras três, a lavandaria ali da frente que tem uma empregada. E só aqui são  seis famílias  de que estou a falar.

Por isso, sempre que me entra um cliente para me comprar o artigo de luxo mais caro que eu aqui tenho, não o posso criticar. Quando a vizinha deixa a roupa toda para lavar na lavandaria, porque se calhar não lhe apetece tratar da roupa, nós vamos ficando contentes. E quando o restaurante do vizinho está cheio eu agradeço e fico feliz que ainda haja gente com dinheiro para poder fomentar o comercio, esse negócio em vias de extinção...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D