Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A entrevista.

por Alice, em 29.08.09
Não tenho explicação para o que fiz. Fi-lo porque quis, tive vontade, deu-me gozo. Não tenho doenças mentais para explicar o que quer que seja.
Comecei com pequenos animais, ratos,  um dia qualquer na minha infância, se calhar estava chateado, aborrecido e um ratito pequeno atravessou-se no meu caminho e consegui apanha-lo e arranquei-lhe a cabeça com estas mãos. O cheiro a sangue inebriou-me, era quente, espesso. Dos ratos passei para gatos e cães. Na escola, depois das aulas ia para a rua e era muito fácil apanhar um cão abandonado. Bastava chamar por eles que eles vinham logo ter comigo e depois era com o que tivesse à mão. Paus, martelos, ferros e com as minhas mãos. O cheiro do sangue excitava-me. Cheguei a comê-los. 
Os meus pais morreram cedo mas a minha irmã ficou a tratar de mim.
Eu tive uma infância feliz. Os meus pais tinham dinheiro, mandaram-me  para a escola, tirei o curso técnico de administração. Namorei, nunca casei porque não quis, não me faltavam pretendentes. Matar os cães e gatos era um hobbie, uma altura arranjei uma espingarda mas desisti porque fazia muito barulho.
A carne de cão  é boa se for da parte da barriga, a parte das patas tem muito musculo, a carne é mais dura , tem um gosto mais azedo.

 

 Entratanto deixei de o fazer durante uns tempos, a minha irmã andava grávida e a situação dela deixou-me... Sentimental, não sei se percebe isto. Ia ter uma sobrinha, andava apaixonado pela idéia. A menina nasceu e...
 
- Tem noção de quantas mulheres matou durante estes anos?
 
- Não sei ao certo, mas não deve andar longe das cem. Elas não mereciam a vida. Não mereciam viver.
 
- Porquê?
 
- Espalhavam doenças, eram más mães, eram umas putas...
 
- Quando começou?
 
- Em meados de 1976. A minha irmã emigrou para França. Eram tempos dificeis aqui. Fiquei sozinho, desenrascava-me a cozinhar e a lavar, não precisave de mulher para mais nada a não ser para aliviar a tensão, percebe-me?
E foi assim que começou. Devo dizer que me  deviam estar todos agradecidos por ter tirado da rua todas aquelas putas. Era muito fácil e usei a mesma técnica com todas. Não sujava muito... Iamos para um canto qualquer escuro e depois de elas me fazerem o que eu queria, que tanto podia ser com a boca ou com o corpo, eu enrolava um lenço -sempre o mesmo, era da minha irmã- ao pescoço delas e esganava-as.  Depois olhe... Fazia experiências. Eu devia ter ido para cientista... Olhe uma vez levei uma para a mata, amarrei-a a uma árvore durante cinco dias, a parte de baixo do corpo meti dentro de um bidão com água, queria saber como é que  a carne apodrecia, depois cheiro  tornou-se demasiado nojento para estar ali e tive que a enterrar. E os animais também começaram a  alimentar-se dela, aquilo estava a ficar um bocado fora de meu controlo.
 
- Eu não preciso de  ouvir mais nada. Já tenho material suficiente.
 
E sem mais uma palavra a jornalista guarda o gravador e sai da sala da prisão. Vai para casa a pensar que sensações terá quando começar a fazer as experiências dela.

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De euempapel (Sindarin) a 29.08.2009 às 12:22

olá bom dia! desculpa invadir o teu espaço. Ando a divulgar o meu livro, mas também a recolher possíveis amizades. Gostava muito de te ter como amiga. Adorei o teu sítio. Forte, directo, sentido. Deixo um beijinho e agradeço ter-te encontrado.
Imagem de perfil

De Alice a 29.08.2009 às 14:46

Boa tarde, não invades nada, isto está aqui para toda a gente ver e claro que tenho gosto em ficar tua amiga. Também gostei a forma como divulgas o teu livro  e achei-o bastante interessante. Mais tarde mando-te um mail para pedir uns esclarecimentos    Beijinhos para ti também bom fim de semana.
Sem imagem de perfil

De euempapel (Sindarin) a 29.08.2009 às 19:28

Olá amiga! muito obrigada pela tua simpatia e doçura nas palavras e sobretudo porque também me dizes k ficaste interessada e gostaste do k leste sobre o meu livro. É muito bom saber isso deixas-me muito feliz. É bom fazer novos amigos e serei sem dúvida daqui para a frente uma assídua visita e uma amiga disponível para ti querida. Fico à espera do teu mail e terei mto gosto em enviar-te um livro autografado e com dedicatória à altura de amigos como tu. Sinceramente e de coração muito obrigada. Tudo de bom para ti. Fico feliz de te ter encontrado amiga. um grande beijinho cheio de carinho.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D